quarta-feira, 3 de março de 2010


TSUNAMIS,

SOLIDARIEDADE E CORRUPÇÃO


Tsunami é o termo usual empregado para designar uma onda ou série de ondas gigantescas, formadas normalmente após perturbações abruptas que deslocam verticalmente a coluna de água, como, por exemplo, um sismo, atividade vulcânica, abrupto deslocamento de terras ou gelo ou devido ao impacto de um meteorito dentro ou perto do mar.

A energia de um tsunami advém de sua amplitude e velocidade. Assim, quando a onda se aproxima da terra, a sua amplitude (a altura da onda) aumenta à medida que a velocidade diminui. Os tsunamis podem caracterizar-se por ondas de trinta metros de altura, causando grande destruição em zonas litorâneas.

Os recentes terremotos ocorridos no Haiti e no Chile, de forte intensidade, promoveram enorme devastação e perda de muitas vidas. Embora o NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration), órgão do Departamento de Comércio dos Estados Unidos, encarregado de emitir alertas sobre fenômenos climáticos, meteorológicos e geológicos tenha informado de maneira veemente que poderia haver tsunamis em toda a região do Pacífico, no último sábado, 27 de fevereiro, a previsão se confirmou apenas na costa do Chile, com ondas que atingiram até 10m de altura.

Esses acontecimentos trágicos que produzem morte e destruição desmedida, até por sua imprevisibidade, provocam ondas de solidariedade em todas as partes do mundo. No Haiti será necessário esforço descomunal para a reconstrução do país, já desestruturado por décadas de tirania, desgoverno, miséria e corrupção. O Chile também carece de ajuda internacional para minimizar o sofrimento da população atingida, mas possui infraestrutura invejável e não tardará a recuperar-se do sinistro, em que pese acreditarmos que para a perda de vidas não há redenção possível, tal qual no Haiti.

O que interessa discutir aqui, também, são duas outras qualidade de tsunami – o da solidariedade e o da corrupção.

Pela visualização das catástrofes recentes, através dos meios de comunicação, a sociedade internacional se compadece, governos enviam ajuda humanitária, técnicos em salvamento, médicos, medicamentos, água e alimentos. Até voluntários emprestam seu trabalho para auxiliar nas buscas aos desaparecidos ou qualquer outra tarefa solidária.

Por que será que nossa consciência solidária só desperta quando ocorrem tragédias de porte e não nos sensibilizamos para com a cotidiana condição de violência, miséria, doença e ignorância que acontece defronte os nossos olhos? Será que nossos concidadãos em estado fragilizado não merecem um olhar solidário concretizado em ações? Esse é o tsunami doloroso da insensibilidade. Acontece todos os dias e não precisa de alarme e previsão.

Há, também, entranhado na sociedade, o tsunami da corrupção, cuja amplitude aumenta à medida em que valores como a ética, o respeito, a dignidade, a probidade e a noção de justiça, consciência e responsabilidade vão se depauperando. Esse também de ocorrência diária, desnecessário alarme ou previsão.

A política que deveria ser a instância social em que seriam discutidas e solucionadas as demandas, apresenta a maior incidência, por metro quadrado, de escândalos, apropriações indébitas, vilipêndio ao erário, enriquecimento ilícito e uma série de outras falcatruas que desmerecem as instituições criadas para zelarem pelo bem do povo.

Há de chegar a hora do basta. Espero que não tarde. Tsunamis sempre representam desgraças. Os naturais são imprevisíveis. Mas os provocados por más intenções e falta de caráter podem ser eliminados definitivamente da nossa vida. Basta que a sociedade se mobilize e aja. Já! Está em nossas mãos criarmos tsunamis do bem! Pensem nisso.
..........................................................................................................
*Nivia Andres é jornalista e licenciada em Letras. Suas opiniões e vivências estão no blog Interface Ativa! Acesse: http://niviaandres.blogspot.com/
.........................................................................................................

29 comentários:

  1. Bom dia, amigos e amigas!

    As recentes manifestações da natureza na América Latina, configuradas em terremotos de grande intensidade, têm produzido enorme devastação. São imprevisíveis, embora as regiões atingidas seguidamente registrem esses fenômenos, por se encontrarem em zona de movimentação frequente de acomodação das placas tectônicas.

    Pois bem, terremotos provocam tsunamis - ondas gigantescas e arrasadoras. Também estimulam solidariedade aos povos atingidos, em forma de ajuda humanitária, equipamentos, remédios, pessoal especializado em resgate, etc.

    Quis provocar o debate a partir da palavra tsunami, imprimindo-lhe dois novos significados, a partir do designativo de sua intensidade -solidariedade e corrupção.

    Acredito que solidariedade não poderia ser um tsunami cuja onda gigantesca se manifesta só em catástrofes naturais e sim, uma uma onda natural, perene, cotidiana... Basta olharmos para o lado para sentirmos as necessidades de nossos irmãos mais próximos e transformarmos nossa vontade em ação...

    O mesmo ocorre com o tsunami da corrupção, desvastador para a sociedade. É imperativo que o arrasemos, através de uma onda gigantesca de mobilização popular.

    Tsunamis do bem existem. Pensem nisso!

    Um abraço a todos!

    ResponderExcluir
  2. Olá amigos (as) deste blog...

    Ôi Nivia, muito interessante sua crônica postada hoje. Explicar essas duas qualidades de tsunamis, da solidariedade e da corrupção é a proposta feita por você. Acredito que a da corrupção é bem mais fácil encontrar resposta, até porque convivemos com ela faz muitos e muitos anos. O tsunami da corrupção está enraizado na sociedade brasileira, é hoje um câncer que se dissemina praticamente por todas as esferas de poder, em especial as instituições públicas. Malefício que vem de longe a corrupção só ganha força, chegando hoje a níveis intolerantes, tamanha a desfaçatez com que agem os adeptos da Lei de Gerson.

    Os exemplos desse quadro sombrio gerado pela corrupção são inúmeros e praticamente não passa um dia sequer sem que um fato dessa ordem apareça nas manchetes dos noticiários dos jornais e tevês. Como regra perversa, os conchavos e acordos em prol de interesses espúrios acabam se sobrepondo aos princípios da ética e da legalidade, ganhando até como incentivo o sentimento de impunidade que acaba prevalecendo na maioria dos casos.

    Como explicar o tsunami da solidariedade, Nivia? Para mim é cultural a solidariedade do povo brasileiro quando ocorrem grandes tragédias. Com propriedade você destaca que a as mais significantes, como miséria, fome, abandono, doença e tantas outras que estão diante de nossos olhos, não nos sensibilizam, como se não fossem também problemas nossos. Ou será que nos acostumamos com isso? Fica a impressão que a solidariedade do brasileiro para as desgraças do nosso dia-a-dia é desvalorizada porque não têm a mesma força de divulgação que as grandes tragédias. Esse quadro precisa mudar com urgência. O tsunami da solidariedade precisa fazer parte do nosso dia-a-dia, não só quando acontecem grandes tragédias. Pra se pensar!

    Uma bela crônica e um assunto palpitante, Nivia, meus cumprimentos!

    Um forte abraço a todos...

    Edward de Souza

    ResponderExcluir
  3. Olá Nivia

    Tsunamis de bondade, de solidariedade, de fidelidade, de honestidade... E, principalmente de amor ao próximo. Quem tem amor ao próximo supera todos os defeitos morais.
    As tragédias naturais podem ser minimizadas se houver solidariedade (ondas de amor). Infelizmente, os destituídos de moral infernizam os desabrigados e os mais fracos. Os saques e o salve-se quem puder ainda é uma constante em todas as partes do mundo, principalmente em países de terceiro mundo onde a educação e a cultura inexistem. Inexiste em razão da velhacaria dos políticos que fazem questão que a situação assim continue. De outra forma não haveria como corromper e ser corrompido.
    Oportuna e didática crônica.
    Parabém gauchinha.

    Paz. Muita Paz.

    J. Morgado

    ResponderExcluir
  4. Ôi Nivia, crônica oportuna, serve para nos lembrar que nós também temos os nossos Haiti. Com silenciosos terremotos sociais. Após socorrermos urgentemente o povo do Haiti, e quem sabe agora até o chileno, montemos, também, urgentemente, nossos mutirões de solidariedade prática para socorrermos nossos irmãos brasileiros escapando ao relento.

    Nossos irmãos também sofrem dores terríveis, desolações, fome, desabrigo, falta de agasalho, de água potável, de saúde, ameaças de epidemias, de aconchego e de solidariedade material e não pode esperar por dias melhores, nem durante segundos. Tem de haver soluções imediatas e práticas de quem detém o privilegiado cofre abarrotado de riquezas que, até agora, só atenderam aos ornamentos ou se conservaram socialmente inúteis perante às necessidades básicas mínimas de sobrevivência do ser humano.

    Parece brincadeira, mas no Brasi, Nivia, a tuberculose está voltando a matar crianças, a febre amarela volta a bater à nossa porta,a AIDS ainda é um grande desafio às autoridades de saúde. Muitas outras doenças, batizadas de febre A ou de febre B, e a dengue cercam regiões rurais e urbanas, definhando crianças, adultos e idosos, enquanto os cientistas modernos vivem de mãos na cabeça, de boca escancarada, esperando a morte chegar. Enquanto tudo isso acontece, o tsunami da corrupção no Brasil invade meias e cuecas. Existe sim esperança, se cada um de nós escolhermos melhor nossos representantes, exigindo que passem a exercer seus cargos de maneira correta e adequada.

    Beijos,

    Liliana Diniz - FUABC - Santo André - SP.

    ResponderExcluir
  5. A natureza é sábia, nós seres racionais chamados de humanos, é que somos “burros”.
    Sim somos uns verdadeiros asnos totalmente presos nos tesouros materiais, mesmo estando edificados em áreas de riscos.
    Depois que a ciência provou que em cima das rachaduras das placas tectônicas é uma zona de perigo, o racional não quis perder o amor no tesouro transitório, e continua desafiando a natureza.
    Como a corrupção aqui hoje, foi comparada com um tsunami de desvios morais e éticos, acobertados pelos lucros fáceis, obtidos principalmente em reconstruir o que a natureza levou, eu acho que as autoridades ficam felizes quando uma catástrofe assola a população.
    Pois eles enxergam muito alem da fraternidade partindo deles em beneficio aos necessitados.
    Associam tudo a uma tremenda sorte que caiu dos céus os lucros fácies que eles terão.
    A propósito, as grandes ondas que mechem com os oceanos, a principio parece nocivo, mas eu encaro como uma grande dádiva.
    Essas ondas têm por objetivo diluir a contaminação dos oceanos, geradas pelas poluições.
    Assim como os vendavais tem a finalidade de purificar a nossa carregada atmosfera de todos os tipos de poluições.
    Padre Euvideo.

    ResponderExcluir
  6. Ôi Nivia!
    Entra ano sai ano e sempre as tragédias acontecendo, agora em proporções maiores. O que me intriga é que sobra para o povo socorrer os menos favorecidos pela sorte. O povo brasileiro é solidário, não acredito que só nas grande tragédias. Sempre que é intimado a ajudar, lá está ele, mesmo que seja com roupas usadas, comparecendo e auxiliando a quem precisa. Não fosse esse tsunami da corrupção levar todo o nosso dinheiro para os mensalões da vida, meias e cuecas, bem que o Governo teria mais condições de cuidar dos mais necessitados, tirando esse encargo dos ombros da nossa gente sofrida.

    Beijos, Nivia!

    Ana Rita - UNIFRAN - Franca - SP.

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde, Nivia!
    Outro excelente artigo com sua marca, meus cumprimentos! O tsunami da corrupção generalizada, o roubo de merenda escolar, a falta de segurança, dinheiro em cuecas e meias, mensalão do PT, dos mineiros e do DEM do Distrito Federal, os escândalos e mais escândalos que nos são presenteados todos os dias por nobres senadores, deputados, juízes e autoridades engrossam nossa sensibilidade, tiram o apuro de nosso afeto e destroem nossa solidariedade. Nós somos um grande Haiti, Nivia. Nossos abalos sísmicos são mais silenciosos. O epicentro é geralmente o planalto central e o número de vítimas incalculável. Os pontos na escala Richter dos nossos abalos morais e éticos são altos. Quanto tempo ainda temos antes que nossa vergonha desabe sobre nós?

    Abraços,

    Eurípedes Sampaio - Jundiaí - SP.

    ResponderExcluir
  8. Olá Nivia Andres, um abraço e meus parabéns por tocar nesse assunto tão delicado e oprotuno.

    É preciso que existam dois movimentos de grande intensidade, muito difíceis, porém necessários, que levem à diminuição acentuada do tsunami da corrupção e o aumento do respeito à ética. Ao mesmo tempo deve-se implantar no seio da sociedade o princípio do tsunami da solidariedade. Cada um pode fazer a sua parte, tanto em passar a praticar apenas atos éticos, como também, ao mesmo tempo, ajudar aqueles que mais precisam. Devemos banir do meio da sociedade todos os tipos de preconceitos, sejam eles de qualquer natureza, preconceito é dos atos mais repugnantes que a sociedade deve abolir.

    Ao mesmo tempo em que assistimos a um festival de corrupção na sociedade em geral, também assistimos ao descaso da própria sociedade pelo sofrimento de milhões de compatriotas que sofrem as amarguras de não possuir os bens e os meios que lhes poderão proporcionar respeito e dignidade. Se todos se unirem para acabar com a corrupção e a miséria em nosso país, poderemos sair vitoriosos desses dois males, enormes tsunamis que tanto nos envergonham e causa sofrimento em tantas pessoas.

    Beijos, amiga!

    Lidiane - Metodista - SBC

    ResponderExcluir
  9. Amiga Nivia Andres: parabéns por seu artigo e por sua defesa contundente da verdadeira moral. A corrupção, que é mundial e especialmente grave em alguns países, como China, Rússia, India, Arábia Saudita e, claro, Brasil, só pode ser enfrentada com leis punitivas realmente severas. Esperar pela "boa vontade" dos homens é ingenuidade e perdade de tempo. As contas públicas precisam ser expostas on line e com linguagem não técnica, que qualquer pessoa comum entenda. E é sempre bom lembrar que não são só os grandes escândalos que precisam ser erradicados. A pequena corrupção, tipo roubo de gasolina de veículos públicos, o suborno do guarda de trânsito, etc, também precisa ser combatida. Ambas, somadas, formam uma rede muito vasta e desoladora.
    Abraços!
    Milton Saldanha

    ResponderExcluir
  10. Nivia, o blog está com problemas, está marcando 9 comentários e na abertura assinala 10. Pior é que tive enormes dificuldades em entrar hoje novamente, mas de qualquer maneira, para ler o texto está tudo bem. Gostei da sua crônica e dos comentários, todos coerentes. Sobre os tsunamis da corrupção e da solidariedade, tudo poderia melhorar caso nosso Governo deixasse de fazer "caridade" com o nosso dinheiro de uma forma errada. A Imprensa está sempre noticiando ajuda milionária do nosso País para os chamados emergentes, como se aqui não tivéssemos problemas de miséria, doenças e tantos flagelos. Nosso Presidente fanfarrão, para mim um dos cabeças do mensalão, bate no peito e se orgulha de mandar 300 milhões para países africanos, do Congo e outros mais, enquanto no Nordeste, onde ele nasceu, passam fome e vivem na mais completa miséria. E conta bravatas, dizendo que pagou nosso dívida externa, mais uma das suas mentiras. Pagou juros, nossa dívida atinge índices extratosféricos, acima de 500 bilhões de dólares. A corrupção só acaba no Brasil se elegermos homens dignos e honestos. A solidariedade está dentro de nós, estamos sempre fazendo nossa parte.

    Bjusssss

    Tatiana - Metodista - SBC.

    ResponderExcluir
  11. Boa tarde, Jornalista Nivia Andres! Aceite meus parabéns pelo texto. Perfeito! Permita-me adicionar em meu comentário essa frase certamente conhecida de todos, mas que cabe bem no assunto tratado hoje:
    “De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça; de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”. A advertência de Rui Barbosa (1849-1923) parece muito atual, e o risco é o descrédito com a política, as instituições e os valores.

    Obrigado!

    Abraços

    Luiz Carlos Fonseca - Ribeirão Preto - SP.

    ResponderExcluir
  12. Ôi nivia, tudo legal?
    A discussão sugerida por você em seu texto, muito bom, sobre outras qualidade de tsunami – o da solidariedade e o da corrupção, pode ser resumida em poucas palavras: a corrupção, também conectada a outras atividades criminais, como tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e comércio ilegal de armas, contradiz a solidariedade, pois aumenta a injustiça e a pobreza.
    Calcular precisamente o nível de corrupção é difícil, e as estimativas variam muito. Apesar de tudo, nós estamos lidando com uma enorme quantia de recursos que são tirados da economia, da produção e de programas sociais. Isso, Nivia, prejudica os pobres, por alterar a distribuição de recursos direcionados a eles.

    Bjos,

    Bruna - Universidade Federal de Juiz de Fora/MG

    ResponderExcluir
  13. Estou apreciando a discussão. A cada instante chegam novas opiniões, todas muito apropriadas.

    Creio que o pior tsunami para nós, brasileiros, como, de resto, para todos os povos do mundo, é a corrupção.

    Como bem frisou o Milton Saldanha, para combater a corrupção são necessárias leis severas. Só que um arcabouço de leis severas, que acabem com a impunidade, precisa ser aprovado por legisladores competentes, dignos e probos. Para eleger os legisladores em questão, há que existir um universo de eleitores conscientes, éticos, cidadãos que não admitem falcatruas e desmandos.

    Precisamos de um governo honrado, de um judiciário ágil e desconectado do executivo; de um ministério público que cumpra as suas obrigações; de organizações da sociedade civil combativas e atuantes; de partidos políticos fortes, integrados por cidadãos íntegros...

    Resumindo, precisamos mudar tudo - fazer uma profunda reforma da sociedade e de seus valores apodrecidos. Há homens e mulheres dispostos a protagonizar essa transformação?

    Creio que há. Urge que mostrem a sua cara.

    ResponderExcluir
  14. Ôi Nivia, vivemos em um tempo em que a solidariedade é apresentada como o grande remédio para a solução da erradicação da miséria. Todavia, muitos confundem solidariedade com um simples gesto de doar algo em favor de outrem. Solidariedade é partilhar a dor do outro e com o outro trabalhar pela construção da civilização do amor. Quanto a corrupção, precisamos pedir a Deus que envie para nossa Terra abençoada, que numa viu vulcões, ciclones, terrotos nem maremotos, um tsunami de vergonha na cara, e que ele invada nosso Senado, Congresso e Câmara e atinja em cheio nossos políticos desavergonhados. Se for da vontade Dele, mais um que inunde nosso povo de cultura para que aprenda a votar. Isso basta!

    Cindy ( São Caetano ) - Metodista - SBC

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde, Nivia!
    Concordo com você em seu tópico final. É preciso que a sociedade reaja contra o tsunami da corrupção que reina em nosso País desde a época do império. Precisamos ainda, Nivia, resgatar a solidariedade e a noção de comunidade como valores sociais fundamentais. A solidariedade pode acabar com a corrupção, fruto da cultura de “se dar bem” a qualquer custo. precisamos refundar nossa sociedade. Precisamos de solidariedade, fraternidade e muito diálogo.

    PS: visitem o blog da Liliana, tem um texto legal que nos ensina a não engordar, copiando os franceses que comem de tudo. Eu gostei.

    Bjos,

    Gabriela - Cásper Líbero - SP

    ResponderExcluir
  16. Prof. Carmelo Dias Arrudaquarta-feira, 03 março, 2010

    Boa tarde a todos!
    Os escândalos de corrupção na vida política brasileira sempre ocupam as páginas dos jornais. Mas poucas vezes percebemos que, por traz da permanência destas condutas políticas antiéticas, existe uma sociedade que não experimentou um “desenvolvimento integral” e que, por isso, tem dificuldade de eleger políticos éticos. Não se trata do jargão “o povo não sabe votar”, mas de perceber que, sem desenvolvimento humano integral, isto é, sem instrução, solidariedade, luta pelo bem comum, fica realmente muito difícil combater a corrupção – pois o pecado está em todos nós e só uma vida solidária e uma razão capaz de analisar e discernir claramente o que é melhor podem nos ajudar a superar a inclinação para o mal que sempre tende a aparecer na sociedade.

    Tenham um bom dia!

    Prof. Carmelo Dias de Mattos Arruda - São Paulo - SP.

    ResponderExcluir
  17. Parabéns pelo post de hoje, Nivia!
    Precisamos de aprender a votar (dia 3 de outubro está batendo às nossas portas) e de mais solidariedade, não só nas grandes catástrofes, nem perto do Natal. Que isso seja uma constante nem nossas vidas. E que o Governo faça a sua parte.

    Beijinhos,

    Priscila - Metodista - SBC.

    ResponderExcluir
  18. Nivia. Boa noite.
    "o tsunami do bem".
    QUE BELA SENTENÇA!. Saida de sua cabeça para despertar desejos. Viajando com a bandeira da palavra tsunami logrou acerto em aplicá-la acertadamente nas mais desatrosas aços maculadoras do ser humano.
    O efeito alcançado na discussão aberta entre todos do blog, fez tudo valer a pena.
    Quanto a mudanças adotadas pelo nosso Congresso Nacional: esqueça. Somente seria possivel ou viável, se em outubro próxiumo mandassemos todos embora para tentar um novo rumo.
    Todos que lá estão, carregam seus interesses e jamais votariam contra eles.
    Ao participar do seu pensamento, devo frisar que solidariedade verdadeira, reside nas periferias, entre os mais pobres, desempregados, dividindo seu insuficiente com a falta absoluta do vizinho.
    Para você nota l.000. Hoje para os comentários também.
    Grande abraço amiga. Garcia Netto

    ResponderExcluir
  19. Professor João Paulo, talvez a foto que ilustra a matéria seja, realmente, uma montagem, mas serviu ao intento, demonstrando a fúria da natureza. Muitas catástrofes já aconteceram em cidades litorâneas atingidas por tsunamis, pois até a pouco tempo não havia órgãos especializados no estudo do fenômeno e nem alarmes antecipados. No grande maremoto que atingiu o Oceano Índico, em 2006, não houve tempo para avisos e mais de 300 mil pessoas morreram, em decorrência dos tsunamis.

    Abraço. Como está a D. Miquelina?,

    ResponderExcluir
  20. ANA CÉLIA DE FREITAS.quarta-feira, 03 março, 2010

    Boa noite a todos.
    Olá Nívia,sua crônica como sempre escrita com muita autoridade.
    Esse tsunami chamado Políticos é um mal, já criou raízes e acho que nunca mais vai embora do Brasil.
    A começar pelos altíssimos salários desses políticos safados,ainda contam com auxílio tudo.Pessoal não consigo entender porque políticos além do gordo salário,ganham até belíssimos e luxuosos apartamentos para morar,enquanto o pobre assalariado se vê obrigado a se virar com uma miséria.
    Sem dúvida os Brasileiros são muito solidários.e quanto a saber votar,as vezes penso que não são os Brasileiros que não sabem votar, não seria os os políticosum bando de safados,hipócritas e ladrões.
    Está difícil confiar em um,e confesso que não vejo com entusiasmo as novas eleições.
    Beijosssssssssssss.
    ANA CÉLIA DE FREITAS.

    ResponderExcluir
  21. Boa noite!

    Solidariedade, coragem e esperança. Três palavras-chaves. Solidariedade para com uma colega que se encontra em enorme dificuldade e que precisa superá-la. Solidariedade para com as crianças e jovens analfabetos deste Brasil, carentes de um país mais justo e de oportunidades para todos; solidariedade para aqueles cujo pão é minguado e de má qualidade; solidariedade para com os que não têm teto, para com os que lutam por um pedaço de terra, e que sonham dela tirar, com dignidade, o seu sustento; solidariedade para com os desempregados, com os idosos e com os enfermos, vítimas de um poder público inoperante e indiferente.

    Neste e noutros contextos, coragem é fundamental. Coragem para não entregar os pontos, para enfrentar o preconceito. Coragem para mudar os rumos do país pelo voto consciente, para exigir justiça, para lutar contra a violência e a impunidade, para combater a corrupção, para resistir aos poderosos e denunciar suas manobras espúrias que transformam o bem público em instrumentos mantenedores de benefícios privados.

    A esperança também é fundamental. É ela que nos anima a buscar respostas no incompreensível, a transpor muralhas onde não existem portas; é ela que, num dia de tempestade, nutre-nos com a expectativa de um dia seguinte de sol resplandecente. O que seria de nós se não acreditássemos que o amanhã é um outro dia com marchas e contra-marchas, respostas e contra-respostas e, sobretudo, com a possibilidade de correção do rumo da nau desviado por um vento inesperado?

    Abraços,

    Menandro Ramos - Salvador - Bahia

    ResponderExcluir
  22. Ôi Nivia, como vai?
    Estou aflita para tentar um contato com você, mas tive sérios problemas de conexão desde ontem. Só agora é que consegui entrar no blog. Acabo de ler esse seu artigo postado hoje, sobre corrupção e solidariedade. Mais tarde volto pra deixar meu parecer.
    Olha, quero lhe agradecer pelo livro que gentilmente você me presenteou. Fiquei muito contente, até porque hoje é meu aniversário, acho que eu já havia dito isso antes, não? Caso minha demora tenha lhe atrapalhado e não possa mais me enviar o livro, saberei entender, não se preocupe. De qualquer forma, deixo meu endereço em seu e-mail daqui a pouco.

    Grata,

    Milena Figueiredo - Santo André - SP.

    ResponderExcluir
  23. Menandro! Que magnífica intervenção! Seja bem-vindo ao blog!

    Milena, querida, espero que você tenha tido um belo dia, de celebração da vida, pelo seu aniversário. Parabéns! Saúde, alegria e muitas oportunidades. Claro que o livro está à sua disposição. Na sexta-feira já o receberá, assim como a Ana Rita.

    ResponderExcluir
  24. Amigos do blog de ouro bôa noite.

    Nivia Andres, seu artigo de hoje em nosso blog,relata as catastrofes que ocorrem no mundo, bem como o jeito que as pessôas mal intencionadas se aproveitam da desgraça alheia, surrupiando até donativos enviados aos mais nescessitados.
    Haverá um dia, de acontecer uma TSUNAMI do bem, para riscar da face da terra, TODOS politicos, pois não existe um que não seja corrupto.
    Enquanto o nosso ANALFABETO,ETILICO E DEMAGÔGO presidênte passeia mundo afora, ofertando benesses aos paises menos desenvolvidos com o NOSSO dinheiro, aqui em nosso País, vemos crianças morrendo de fome, o nosso pôvo sem um atendimento digno na saúde,idosos aposentados morrendo a mingua, com um salário miseravel,as catastrofes ocorridas em NOSSO chão, sem socorro material por parte das "autoridades" que só prometem mas não cumprem, e quando chega a verba prometida, mais da metade já ficou pelo caminho da corrupção.
    Indignar-mos pelo que aí está, não adianta mais, precisamos de HOMENS justos, na condução da politica brasileira e varrer de vêz essa corja que tomou conta do nosso Brasil
    Espéro que o pôvo brasileiro que sempre foi pacifico, tóme uma atitude corajosa e não dependam só das FORÇAS ARMADAS para colocar novamente o Brasil no eixo da decência e dignidade.
    Chega de corrupção, chega de politicos canalhas, chega de sofrimento deste pôvo honesto e trabalhador.
    TSUNAMI DA HONESTIDADE JÁ !!!!

    Abraços a todos.

    Admir Morgado
    Praia Grande SP

    ResponderExcluir
  25. convite para seguir a história de Alice , lá no --- continuando assim --- ainda vai no princípio :) espero que gostes

    bj
    teresa

    ResponderExcluir
  26. Jornalista Nivia Andres, fico grato pela gentil saudação. Sempre que possível estarei neste espaço. Nível ótimo, gostei!

    Tenha um bom dia!

    Menandro Ramos - Salvador - Bahia

    ResponderExcluir