segunda-feira, 2 de março de 2009

SORRIA! VOCÊ NÃO ESTÁ SENDO FILMADO!

Edward de Souza

Ontem eu estava voltando para casa quando comecei observar que, em diversos estabelecimentos comerciais, casas e prédios existia uma placa amarela com um smile dizendo “sorria você está sendo filmado”. Afinal que mundo vivemos hoje, onde a insegurança chegou a esse ponto que, em qualquer lugar, estamos sendo observados por câmeras de segurança Pode prestar atenção, a moda pegou, agora tem câmeras até nas ruas, elevadores, escolas, prédios, bares e em todos os lugares. Já virou uma rotina e saber que estamos sendo observados a todo o momento não assusta mais ninguém. Bons tempos aqueles em que a indiscrição de bisbilhotar a vida alheia não ia além de uma espiada pelo buraco da fechadura ou através das lentes de lunetas estrategicamente colocadas em janelas de apartamentos. Hoje, a nossa vida está sendo monitorada via satélite e patrulhada via minicâmeras espalhadas nos mais variados cantos da cidade, seja nos shoppings centers, nas lojas, nos metrôs, nos bares e por aí vai. As câmeras de vigilância em residências e ruas de grandes centros já são uma impertinente rotina. Ajuda? Resolve? Muitas vezes, sim. Muitas vezes, não. Babás malvadas têm sido flagradas maltratando bebês. Assaltantes são identificados em ação. Pobres políticos e corruptos de toda espécie são pegos em vergonhosas negociatas. A câmera indiscreta tem suas vantagens. O que seriam dos programas de televisão que as utilizam para nos deleitar com os “micos” de situações engraçadas ou situações “armadas” como do teste de fidelidade ou “BBB”? Tirando tudo isso, a vida de cada um de nós tem sido um tormento. Não sabemos se podemos nos comportar normalmente ou se teremos que exercer a autocensura diante do avisozinho: “Sorria! Você está sendo filmado! A pergunta que cabe no momento é: tanta indiscrição, tal patrulhamento de nossas ações é um mal necessário? Na lógica do capitalismo, o custo-benefício, vale a pena? Do inocente flagrante de arrancar uma caquinha do nariz, passando por uma coçada nas partes pudendas até a um ato criminoso de apontar uma arma para assaltar alguém, ou os maus tratos a algum civil em uma abordagem policial, tanta vigilância melhorou a conduta do ser humano deste o advento destes sofisticados equipamentos? O aparelho celular, mero encurtador de distância entre pessoas hoje é uma espécie de equipamento para espionagem: grava sons e imagens. Socorro! Que proliferem os anúncios : Sorria! Você não está sendo filmado! Que bom seria sentir que no máximo estamos sendo olhados por discretos pares de olhos. Viva a liberdade de ir e vir... Em paz.


8 comentários:

  1. Pode até trazer algum desconforto, esse negócio de câmeras filmando até xixi de cachorro, mas por outro lado é bom. Inibe um pouco a ação de ladrões e, melhor de tudo, bota políticos ladrões na cadeia!

    Denise - Apucarana

    ResponderExcluir
  2. Na minha cidade teve um caso de flagrante de adultério que não acabou em nada. O marido instalou uma câmera no quarto de sua casa com o intuito de flagrar a mulher, de quem desconfiava. Não seu outra. Acabou "pegando" a infiel com a boca na botija, ou em outra coisa, com seu melhor amigo. Com um advogado, levou as provas ao Tribunal, mas o Juiz não considerou válida a prova, alegando que o filme poderia ter sido forjado. O feitiço virou contra o feiticeiro, conhecido agora na cidade como corno e ainda por cima vai ter que repartir o que tem com a infiel.

    Janete G. Santos - Sergipe

    ResponderExcluir
  3. Queria só saber quem foi que criou essa célebre frase: "Sorria! Você está sendo filmado!" Já imaginaram se todos fossem obrigados a sorrir sempre que se deparasse com esse aviso? Algum desavisado poderia chamar enfermeiros de manicômio próximo e meter camisa de força no coitado do cara que ri sózinho.
    Não concordo com esse negócio de patrular a vida dos outros. Como segurança num banco ou numa residência é outra coisa. Em praças públicas, botecos, restaurantes e até em carrinho de pipocas é muito pra minha cabeça.

    Thalita - Porto Alegre

    ResponderExcluir
  4. Olá Edward,

    Recebi à pouco o selo ‘Olha que Blog Maneiro’. E como uma das regras após recebê-lo, eu teria que indicar outros 10 blogs da minha preferência para que fossem agraciados com o mesmo selo. Estou passando para lhe dizer que indiquei o seu blog para receber este mesmo selo.
    Assim, caso você queira, o selo e as regras estão no meu blog.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Não tem como não dar risadas ao ler seu artigo. Lembrei-me de uma baiana que trabalhava no prédio onde eu morava, em São Paulo, quando instalaram essa filmadora na portaria. A danada, durante o dia, de macacão azul, não passava nem perto da portaria, com medo de ser flagrada mal vestida. À tarde, trocava de roupas, caprichava no batom e ficava circulando e olhando para o local onde ela imaginava que estava a filmadora. Todas as tardes a gente ficava por perto para ver as evoluções da baiana na portaria. Era engraçado demais.

    Ariovaldo R. Silva - R. Preto

    ResponderExcluir
  6. Para vc ver meu amigo....é a necessidade...só aqui no meu bar-restaurante, em Marília, tenho 18 câmeras(confidencial ) que me auxiliam muito além de inibir e evitar um monte de situações desagradáveis que poderiam ocorrer......

    Pedro - Marília

    ResponderExcluir
  7. Devemos sorrir ou chorar? A população brasileira não é a única a sofrer com a violência desenfreada. Aqui, a criminalidade aumentando a cada dia. Acolá, o terrorismo. “Sorria, você está sendo filmado”, uma frase irônica e assustadora. Acredito que a maioria dos estabelecimentos comerciais e particulares estão blefando quando dizem que ali estão instalados equipamentos de segurança (sistemas sofisticados e caros). Na verdade, esse tipo de vigilância é um mal necessário.
    “Cuidado, Cão Bravo” (mas cadê o cão).

    J. Morgado

    Mongaguá -SP

    ResponderExcluir
  8. Ana Célia de Freitas.terça-feira, 03 março, 2009

    Nós que somos pessoas de bem, temos que conviver em um "Big Brother", mas os ladrões não estão nenhum pouco preocupados, afinal sabem que essas (leis?) no Brasil não pune ninguém.
    Ana Célia de Freitas. Franca/ SP

    ResponderExcluir