sábado, 21 de março de 2009

AS HISTÓRIAS DAS REDAÇÕES DE JORNAIS

O PRÊMIO ESSO
PARTE V
*
RESPOSTAS PARA UM LEITOR
*
Edward de Souza - Édison Motta
*
O advogado e leitor desse blog - Dirceu H. Matoso - Porto Alegre - na matéria sobre histórias de redações de jornais, capítulo IV, em seu comentário quis saber quando e como o jornalista Édson Motta ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo. Pergunta também como fazer para acessar a página do Jornal Comércio da Franca, onde mantenho uma coluna todas as quintas-feiras. Começamos com as explicações de Édison Motta. No final, acrescento o link de acesso ao jornal.
"O Prêmio Esso Regional de Jornalismo - região Sudeste, que abrange todos os grandes veículos de comunicação do eixo Rio - SP - foi conquistado em 1976 em parceria com Ademir Médici. Resultou de uma série de reportagens publicadas no Diário do Grande ABC naquele ano com o título: "Grande ABC, a metamorfose da industrialização". As reportagens tiveram entre os entrevistados o então presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema, o atual presidente Lula. Mostravam os contrastes e a falsa impressão de progresso que a industrialização - a partir da instalação das montadoras automobilísticas há menos de 20 anos naqueles tempos - trouxeram à região do grande ABC formada por sete cidades: Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra. Com sua veia natural de excelente historiador e extraordinário talento inato para o jornalismo, Ademir Médici foi a campo e trouxe aos leitores do Diário, saborosas lembranças de como viviam seus ancestrais na região: cidades aprazíveis, com farta natureza, sem poluição, trânsito e nem criminalidade. A partir da industrialização, o chamado ABC paulista se transformou no "eldorado" brasileiro e atraiu milhões de pessoas que deixaram os mais distantes rincões do país em busca de emprego e da felicidade a ser conquistada pelo tal "progresso". Surgiram às primeiras favelas, guetos de migrantes rurais, a poluição das águas e do ar; destruição do meio ambiente. A violência e criminalidade explodiram. Alguns conseguiram melhorar o padrão de vida, em troca de um regime semi-escravagista nas indústrias, atuando como robôs tão bem ilustrados por Charles Chaplin em seus "tempos modernos". Porém, a maioria foi transformada em exército de reserva das indústrias, onde peregrinava, nas madrugadas, em longas filas, que dobravam quarteirões, em busca do sonhado emprego. Massa de manobra que viabilizou a rotatividade da mão de obra e exerceu pressão - por excesso de oferta - sobre os salários dos que estavam empregados.Não sabíamos à época. Mas foi aquele contexto, retratado na série de reportagens, que levou à rebelião dos trabalhadores do ABC em 1978,79 e 80. As greves campais lideradas pelos metalúrgicos - que inauguravam o chamado novo sindicalismo - abalaram as estruturas do regime militar, projetaram Lula e mudaram a história do Brasil."
Para acessar o Jornal Comércio da Franca é só clicar nesse link:
http://www.comerciodafranca.com.br/index.php Preencha um breve cadastro e você terá acesso a todas as notícias do jornal


9 comentários:

  1. Dar satisfação aos leitores, outro lado positivo desse blog. Parabéns, senhores organizadores desse espaço que aprendi a frequentar.

    Thalita - Santos

    ResponderExcluir
  2. Olá Edward

    Lembro-me daquele longínquo 1976. O entusiasmo do então garoto Édison Motta e do circunspecto Medicci, quando da notícia que havia ganho o Prêmio Esso de jornalismo. Foi uma festa. Uma festa que todos participaram, contagiados pelo fato. Afinal eram todos profissionais daquele grande jornal, irmanados pelo mesmo objetivo, o de informar e assim, escreverem e participarem da História do Brasil. Os fatos aí estão. A Região se destacou e o Presidente atual de nossa República, Sr. Luiz Inácio Lula da Silva, foi eleito justamente em razão dos fatos que ali se desenrolaram.
    Uma linda e oportuna resposta Sr. Jornalista.

    J. Morgado

    Mongaguá-SP

    ResponderExcluir
  3. Luiz Antonio (Bola)sábado, 21 março, 2009

    Essa conquista do Prêmio Esso Regional de Jornalismo será sempre um motivo de orgulho para todos nós, profissionais que trabalhamos no Diário do Grande ABC. Meu abraço afetuoso ao Édison Motta e Ademir Médici, dois bons amigos e companheiros de longa data por esse prêmio, embora tão distante, mas sempre presente em nossas memórias. Deixo também um abraço saudoso ao querido Edward de Souza, um dos melhores repórteres policiais que vi em ação e com quem aprendi muito sobre a profissão. O Edward tinha uma frase que não sai de minha memória. Dizia ele: "para ser um bom profissional, todo o jornalista deve trabalhar, pelo menos um ano, como repórter policial". Sábias palavras.

    Luiz Antonio - Santo André

    ResponderExcluir
  4. Aháááááá... Agora descobri. Então os senhores Édison Motta e Ademir Médici foram os responsáveis pela eleição do Lula? Vocês me pagam (hehehehehehehehehehe).

    Armando Nocera - São Paulo

    ResponderExcluir
  5. Para nós, estudantes de jornalismo, e somos muitas que frequentam esse blog, ouvirmos ou lermos sobre Prêmio Esso, seja Regional ou Nacional, é um grande sonho. Mas, uma meta a ser seguida. Um Oscar do Jornalismo. E vamos aprendendo com vocês. Meus parabéns à essa dupla vencedora.

    Magali S. Diniz - São Bernardo

    ResponderExcluir
  6. Dirceu H. Matosodomingo, 22 março, 2009

    Prezados jornalistas Édison Motta e Edward de Souza.
    Quero lhes agradecer a gentileza pelas informações prestadas, referentes ao Prêmio Esso de Jornalismo e o site de acesso ao Jornal Comércio da Franca. Meu irmão, curioso em saber sobre esse prêmio, já esteve nesse blog, leu e mandou-me também lhes agradecer. Quanto ao site do jornal, estive lá e vou me cadastrar, grato.
    Gostaria que, quando os nobres amigos viessem a Porto Alegre, me avisassem. O churrasco é por minha conta e a hospedagem em meu site também. Lhes enviarei meu e-mail para contato.
    Obrigado mais uma vez!

    Dirceu H. Matoso - Porto Alegre

    ResponderExcluir
  7. O que mais me admira, acompanhando todos esses ralatos sobre as redações de jornais é a união que existe entre vocês, mesmo depois de muitos anos. Trabalho em um jornal aqui em São Paulo e, acreditem, ainda não sei o nome do jornalista que se senta ao meu lado. Ninguém conversa, todos grudados na tela. Um bom dia quando chegam e um até amanhã, quando saem. Dá mesmo saudade dos tempos das velhas máquinas de escrever.
    Parabéns, amigos de profissão. Pela união, pela amizade que faz com que todos se reúnam nesse espaço e pelas brilhantes matérias. Esse blog em breve se tornará o reduto dos jornalistas, certamente.

    Alberto

    ResponderExcluir
  8. Valdir dos Santosdomingo, 22 março, 2009

    Ôi... Edward e Édison,

    Passei pra deixar o meu abraço e dizer que estou acompanhando esse blog maravilhoso.

    Saudades de todos!

    Valdir dos Santos - Ex-Diário

    ResponderExcluir
  9. Caro Dirceu Matoso: Não vamos perder esse churrasco gaúcho por nada quando, algum dia, estivermos em Porto Alegre. Enquanto ele não acontece, é uma satisfação fazer novos amigos através desta iluminada janela aberta pelo grande Edward Souza.
    Caro Morgado: você também ajudou a escrever a história do Brasil. Sua modéstia talvez o impeça de reconhecer. Um só exemplo: lembra-se daquele dia 23 de março de 1979?
    Há exatamente 30 anos, os sindicatos de metalúrgicos amanheceram sob intervenção. Os trabalhadores, em greve, foram ao Paço Municipal de São Bernardo, ocupado por tropas policiais com cavalaria, cachorros, brucutus, gas lacrimogêneo, etc.
    Só não houve carnificina graças à intervenção do prefeito Tito Costa, que subiu na viatura do comandante da PM e evitou o confronto. Voce acompanhou tudo de perto, como inato repórter que sempre foi. Nosso querido e estimado editor de turismo, do Diario daqueles tempos, também era um excelente pauteiro.

    Abração,

    édison motta
    Santo André, SP

    ResponderExcluir